Sobrevivente de tragédia em Joinville morre no hospital

fab-porto

Clecy Aparecida Melle Pasquali, 46 anos, sobrevivente da chacina ocorrida neste domingo (6), na zona Norte de Joinville, morreu no Hospital Municipal São José, na madrugada desta segunda (7). De acordo com a assessoria da Secretaria de Saúde, a morte aconteceu por volta das 2h15.

Clecy era mãe do assassino, Roberto César Pasquali, 24 anos. Ela foi levada em estado grave para a unidade no helicóptero Águia, da 2ª Companhia do Batalhão de Aviação da Polícia Militar, logo após o ocorrido. Ela tinha perfurações feitas por arma branca na cabeça e na face, além de ferimento por arma de fogo. Ela passou por cirurgia, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Roberto assassinou a mulher, Aline Pasquali, o filho, Júlio César Pasquali, 4 anos, o pai dele, Nereu César Pasquali, e logo em seguida se suicidou. O crime aconteceu por volta das 11h, na rua Imaculada Conceição, no bairro Aventureiro, zona Norte de Joinville.

O crime

Uma chacina chocou a comunidade do bairro Aventureiro, na zona Norte de Joinville. Na manhã deste domingo (6), por volta das 11h, Roberto César Pasquali, 24 anos, assassinou a mulher, Aline Pasquali, o filho, Júlio César Pasquali, 4, o pai dele, Nereu César Pasquali, e logo em seguida se suicidou. A mãe de Roberto, Clecy Aparecida Melle Pasquali, 46, sofreu a tentativa de homicídio e foi encaminhada para o Hospital São José em estado grave onde passará por uma cirurgia.

Na cena do crime, a Polícia Militar encontrou uma arma calibre .38 e uma faca de churrasco, utilizadas pelo autor. Foram os barulhos dos disparos que chamaram a atenção do vizinho da família, o vendedor Jailton Rocha que mora na rua Imaculada Conceição.

Ele conta que esteve com a família cinco minutos antes da tragédia e, segundo ele, não havia nada de estranho acontecendo no local. “Eles estavam fazendo churrasco e me convidaram para comer uma carne. Mas eu não fiquei. Cinco minutos depois que eu saí dali, aconteceu isso”, comentou.

Ainda segundo o vizinho, Roberto e a família haviam se mudado do Paraná para Joinville há apenas três meses e que durante este período jamais presenciou brigas ou discussões entre eles. “Eles eram muito queridos, não tinha discussões. O que a gente sabia é que o pai (Nereu) tinha depressão. Foi uma cena chocante o que aconteceu”, afirmou.

De acordo com o tenente Ricardo Bonnassis, as vítimas foram encontradas em diferentes cômodos da casa. Nereu foi morto com tiros e cortes a faca, Aline e Júlio tiveram cortes profundos no pescoço, da mesma forma que Roberto.  “O pai estava na frente de casa, a mãe na entrada da cozinha e a mulher e o filho dentro da cozinha, onde Roberto se matou. Ele tinha vários ferimentos de faca no peito, no coração. Mas acabou se degolando”, conta.

Ainda foi encontrada na casa uma espingarda, calibre .40, que não teria sido utilizada no crime. Segundo o tenente, Roberto não tinha antecedentes criminais e era filho único. Os corpos foram todos encaminhados para o IML (Instituto Médico Legal). E a partir de agora serão investigadas as possíveis causas do crime.

Aconteceu em Jaraguá do Sul / A notícia

Pin It