Missão técnica da Coreia do Sul visitará frigoríficos catarinenses em novembro

Avançam as negociações entre Santa Catarina e Coreia do Sul para exportação da carne suína produzida no Estado. Em novembro, uma missão técnica sul-coreana visitará frigoríficos e propriedades rurais catarinenses para oficializar a abertura do mercado à carne suína in natura de Santa Catarina. O comunicado foi feito pela Agência de Quarentena Animal e de Plantas (QIA) da Coreia do Sul ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) nesta terça-feira, 4.

A missão técnica sul-coreana está prevista para chegar a Santa Catarina no dia 16 de novembro, quando começarão as visitas aos frigoríficos e propriedades para avaliar a sustentabilidade ambiental, a saúde animal, o controle de doenças e o Plano de Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (APPCC). O objetivo da missão é habilitar as plantas frigoríficas autorizadas a exportar carne suína para a Coreia do Sul.

A expectativa do Ministério da Agricultura e da Secretaria da Agricultura e da Pesca de Santa Catarina é que já no início do próximo ano a carne suína catarinense entre no mercado da Coreia do Sul. O Estado espera vender pelo menos 30 mil toneladas de carne suína por ano para aquele país.

A Coreia do Sul é um dos maiores compradores mundiais de carne suína in natura. No ano passado, importou cerca de 450 mil toneladas, o equivalente a US$ 1,3 bilhão. O potencial de exportação do Brasil é estimado em US$ 160 milhões por ano pela Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio (SRI).

Com 50 milhões de consumidores, o mercado sul-coreano é uma importante conquista para o agronegócio catarinense. O secretário da Agricultura e da Pesca, Moacir Sopelsa, explica que as negociações para exportação de carne suína para Coreia do Sul acontecem há dez anos e que o status sanitário diferenciado de Santa Catarina foi o fator decisivo para a abertura desse mercado. Santa Catarina é o único estado brasileiro livre de febre aftosa sem vacinação e também livre de peste suína clássica, com certificados da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

Negociações com SC

Em julho, uma comitiva catarinense liderada pelo governador Raimundo Colombo esteve em Seul, capital da Coreia do Sul, para agilizar o processo de exportação de carne suína. Na ocasião, representantes do governo sul-coreano comunicaram o interesse do país em importar carne suína produzida em Santa Catarina, faltando apenas questões administrativas a serem tratadas entre os ministérios da Agricultura da Coreia do Sul e do Brasil. A visita do ministro da Agricultura Blairo Maggi em setembro deste ano deu sequência às tratativas iniciadas pelo Governo catarinense.

Suinocultura em SC

Santa Catarina é o maior produtor e exportador nacional de carne suína do país. São cerca de 10 mil criadores integrados às agroindústrias e independentes, que produzem anualmente cerca de 850 mil toneladas de carne suína. Com um rebanho efetivo estimado em sete milhões de cabeças, o Estado é responsável por aproximadamente 27% da produção nacional de carne suína e por 35% das exportações brasileiras.

Entre os principais países de destinos da carne suína catarinense estão Rússia, China, Angola, Cingapura, Chile, Japão, Uruguai e Argentina. Atualmente, o estado exporta quase 190 mil toneladas por ano.

Ana Ceron

Pin It