2ª Conferência Estadual de Proteção e Defesa Civil, em Lages, discute ações preventivas

2_conferencia_estadual_de_protecao_e_defesa_civil_-_lages_20140326_1136119262

O governador Raimundo Colombo participou nesta quarta-feira, 26, em Lages, da 2ª Conferência Estadual de Proteção e Defesa Civil. O evento, que segue até quinta-feira, 27, tem como tema “Proteção e Defesa Civil: novos paradigmas para o Sistema Nacional”. O encontro teve o objetivo de incentivar e colocar em discussão a questão da proteção na Defesa Civil, uma das principais mudanças apresentadas pela Política Nacional, além da colaboração de toda sociedade e poderes em medidas preventivas e atenuantes, necessárias à redução de riscos e desastres.

Colombo disse que o evento é importante para que os municípios tenham grupos qualificados com informações e equipamentos para agir nas emergências e  calamidades. “Prevenção se faz ao longo do tempo, preparando as pessoas, equipando a Defesa Civil e motivando as comunidades a estarem sempre alerta em casos de desastres climáticos, com uma resposta rápida. O Governo do Estado está fazendo investimentos importantes na capacidade tecnológica, como, por exemplo, o radar meteorológico, que ampliará a capacidade de prevenção. As ações e investimentos terão um impacto muito forte em Santa Catarina para a proteção das pessoas. São medidas amplas, profundas e muito bem feitas”, afirmou.

Durante a conferência, também foram discutidos os quatro eixos definidos pelo Ministério da Integração Nacional: gestão integrada de riscos e resposta a desastres; integração de políticas públicas relacionadas à proteção e Defesa Civil; gestão do conhecimento; e mobilização e promoção de uma cultura de proteção e Defesa Civil na busca de cidades resilientes. Além de discutir os eixos, os participantes elegeram os 50 delegados que vão representar o Estado, na etapa nacional, prevista para os dias 27, 28, 29 e 30 de maio, em Brasília. Eles têm a função de definir, até amanhã, os 10 princípios norteadores e as 30 diretrizes que serão levadas para a plenária nacional.

“A conferência é um marco para Santa Catarina. É uma grande mobilização na organização da base da sociedade. O nosso Estado está em uma rota de fenômenos climáticos adversos, por isso, este encontro, o repasse e a troca de informações e investimentos do Governo do Estado contribuem muito no desenvolvimento do sistema de proteção dos cidadãos catarinenses. Se não podemos eliminar as tragédias, precisamos aprender a conviver com elas, e, para isso, é necessário prevenir e preparar a sociedade”, salientou o secretário da Defesa Civil, Milton Hobus.

O diretor de Prevenção da Defesa Civil de SC, Fabiano de Souza, destacou que, durante muito tempo, a ação dos municípios estavam focadas na gestão do desastre com atividades de socorro e assistência à população. “Atualmente, o foco do trabalho da Defesa Civil tem sido a gestão do risco com o desenvolvimento de ações de prevenção e preparação da comunidade antes da ocorrência do desastre”, informou.

Preparação

Para chegar à etapa estadual, foram realizadas 22 conferências intermunicipais em Santa Catarina, sendo duas municipais e uma livre, da Udesc. Mais de 3 mil pessoas passaram pelas edições que definiram os delegados presentes nesta conferência, que reúne cerca de 600 pessoas. Os participantes são: agentes da Defesa Civil, poder público, sociedade civil, conselhos e entidades profissionais e de políticas públicas e comunidade científica.

Obras e ações em andamento no Estado

– Construção do Centro de Monitoramento e Alerta da Secretaria de Defesa Civil do Estado
– Construção de três barragens de contenção de cheias nos rios: Taió, Perimbó e Ribeirão Braço do Trombudo
– Construção de uma barragem de médio porte no rio Itajaí Mirim, no município de Botuverá
– Construção de quatro barragens nas bacias de Rio do Sul
– Dragagem do Rio Tubarão
– Estudos ambientais e socioambientais na bacia do Rio Itajaí
– Obras de melhoramento do canal do Rio Taió
– Obras de melhoramento fluvial no canal retificado do Rio Itajaí Mirim
– Projetos executivos e licenciamento do melhoramento fluvial e infraestrutura em oito cidades
– Radar metereológico – será instalado em Lontras, ponto estratégico para o monitoramento de sistemas meteorológicos, tais como frentes frias, ventanias, chuvas, granizo e todos os eventos naturais ligados a metereologia. O equipamento vai atender 190 municípios num raio de 200 quilômetros, o que corresponde a 77% do Estado. As regiões serão: Planalto Litoral Norte; Vale do Itajaí; Grande Florianópolis, parte do Litoral Sul, Serra, e parte do Meio Oeste. O investimento é de cerca de R$ 7 milhões com recursos do Fundo Estadual de Defesa Civil.
– Sobre-elevação do vertedouro da Barragem Sul e Barragem Oeste
– Capacitações nos municípios
– Cidades resilientes –  a ação estabelece o compromisso do município em seguir um plano que enumera dez passos para reduzir as consequências de desastres naturais.
– Diagnóstico da estiagem no Oeste
– Kits de transposição de obstáculos
– Poços artesianos
– Sistema anti-granizo, além de  monitoramento e alerta
– Unidades habitacionais modulares
– Dragagem e limpeza dos rios
– Manutenção das barragens
– Construção de cisternas

Saiba mais

Santa Catarina vem enfrentando recorrentes desastres de grande magnitude, relacionadas às tempestades severas que causam inundações, escorregamentos, vendavais, granizos, tornados, ressacas, entre outros fenômenos. Historicamente, a Bacia do Rio Itajai, a maior do Estado é uma das mais afetadas por inundações bruscas e graduais por escorregamentos. Nos últimos anos foram registradas seis enchentes: julho de 1983, agosto de 1984, maio de 1992, outubro de 2001, novembro de 2008 e setembro de 2011. Contudo, no mesmo período na cidade de Blumenau ocorreram pelo menos nove inundações em que mais de 10 mil pessoas perderam suas casas.

De acordo com a Defesa Civil do Estado, nesta região, nos últimos 23 anos, a incidência de desastres por escorregamentos corresponde a 35% do total registrado no Estado. Por esses motivos, a necessidade de ações de prevenção.

Pin It